terça-feira, 12 de junho de 2012

Os amigos da minha vida....

É engraçado. No tempo do fundamental, quando tinha lá meus 12, 13 anos, no desabrochar da adolescência, assim como as outras meninas da escola, eu também cobiçava ser popular, ter a beleza admirada pelos meninos, ser a menina mais desejada pelos meninos. Como eu não tinha lá todo esse charme, consegui ser a garota mais engraçada, mais parceira. Entrei no mundo dos meninos para compreendê-los e de certa forma, suprir a necessidade de contato masculino que toda menina tem. No ensino médio, a coisa continuou: eu tinha uma melhor amiga e vários melhores amigos. Um mundo interessante aquele: falar sobre futebol, garotas, games, aventuras! O mundo dos garotos sempre foi tão mais divertido! A menina que desejava ser vista, ser elogiada pelos atributos "físicos", agora era a peça que faltava nas rodinhas de conversa, par divertir e ajudar o público masculino em suas investidas com as outras garotas: "fulano, ela não gosta disso, ciclano, mulher quer isso, beltrano, a fulaninha está sem namorado e com o coração livre..." Entrei para a faculdade, e a coisa continuou a mesma: no final das contas, já nem penso mais no porquê da maioria dos meus melhores amigos serem homens. Eu sei que é legal. Sou rotulada por eles mesmos de "mulher macho", "amigo homem que mija sentado", "ah.. Tamara, tu não é a mais bonita, mas tu é engraçada, e é nossa amiga. É isso que importa!", "gorda"... Enfim... Aprendi muito com tudo isso: conheço o comportamento dos homens como nenhuma outra mulher conhece. Sei direitinho quando amam, quando estão tristes, quando estão traindo, quando precisam sair com os amigos (isso me inclui! hehe) apenas para tomar uma cerveja e colocar conversa fora. Sei também das coisas que suportam e daquelas que não suportam nas mulheres. Mas, às vezes me pergunto: por que mesmo sabendo de tudo isso, até agora não tenho um relacionamento normal? Trágico... hehe. Mas como dizem por aí: vão os anéis e ficam os dedos! E não troco esses meus parceiros por nada! Um salve pros meus grandes amigos!

Quando eu for mãe....

E de repente senti uma vontade enorme de ser mãe. Calma! Isso não signfica que vou sair por aí desesperada a procura um macho para me fecundar! Não! Claro que não! Mas sinto vontade de ser mãe. E essa vontade me fez pensar numa lista de coisas que preciso para ser mãe um dia. Em primeiro lugar, preciso de um lar. Um lar bonito, aconchegante, com violetas na janelas, que permita a entrada de sol nos quartos durante o dia. Dois cachorros, um fogão à lenha para aquecer a casa durante o inverno e uma rede gostosa na sombra, para embalar o verão... Eu também preciso de um emprego: um emprego que me permita ganhar o suficiente para dar ao(s) meu(s) filho(s) (ou filha) uma vida bacana, com alguns sonhos realizados e um futuro garantido. Preciso também ter um bom plano de saúde. Tá. Sim, o principal: preciso ter tempo, muito tempo, para me dedicar exclusivamente ao meu filho/a. Carinho, paciência, compaixão, compreensão... Bem, quanto a isso, acho que já estou bem preparada! Amor eu tenho de sobra, e o amor faz tudo ficar mais fácil. Pensar naquele ser que crescerá quentinho dentro de mim. Pensar no seu coraçãozinho pulsando, pensar no parto, na explosão de sentimentos: a vontade de trazer ao mundo aquele ser que carregarei por 9 meses, de ver seu rostinho, sentir seu cheirinho, beijar, trazer pra junto do peito, será maior do que as dores. Quando esse dia chegar, sei que vou estar plenamente preparada! Bom. Esqueci de uma parte: para ser mãe, eu preciso encontrar um pai. Daí pensando, nesses tempos modernos, muitas mulheres não tem essa preocupação, de ter um pai para os seus filhos, de criá-los em um lar. Bem, eu respeito todas as opiniões quanto a isso, mas tenho a minha bem formada: só serei mãe de um filho gerado em meu corpo, se for um filho gerado com amor. Como saber que é o amor que está gerando o meu filho? Bom, acredito que se algum dia encontrar alguém que deseje ter filhos comigo, não terei dúvidas que também encontrei alguém que me ama de verdade. Acredito que quando um homem deseja ter um filho com uma mulher e a escolhe, é porque no mínimo, confia. Confia, e vê nela uma pessoa capaz de carregar, cuidar, proteger e amar sua semente. Não sei quanto às outras mulheres, mas o dia em que eu encontrar alguém que queira além de ser meu companheiro, ter filhos comigo, eu terei certeza de que sou amada. Enquanto esse dia não chega, vou sonhando com um piquenique de domingo no parque, com filhos, companheiro e cachorros. Grama verde, pão integral e suco de laranja. E agora, voltando à realidade, "bora" estudar pra conseguir realizar todos esses sonhos!