domingo, 29 de julho de 2012

ASAS QUEBRADAS DE UM ANJO TORTO

Tenho asas de um anjo torto 
que tenta alçar voo por impulso. 
Se caio, levanto e sigo o curso. 
Sangrando no escuro,
em busca do lar.
Ferido e inseguro,
reaprendo a voar.
Desfragmento lembranças, 
expurgo tristezas,
alimento sonhos.
Ao voo da esperança me proponho.
Não resta pranto,
não resta canto,
não resta dor.
Este anjo caído, torto e perdido, carrega o amor.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

SÓ DEPENDE DE SER

Dor é vida.
Me convida pra ver quem vai, quem veio e quem foi.
Quem sou? O que fui, pra onde vou.
Esperei teu chamado. Mas só o silêncio falou.
Quem fica?
O que traduz minha alma?
A noite lá fora?
A solidão agora?
O que não vivi?
O que não pensei?
Poderia estar sorrindo
Poderia estar mentindo
Poderia estar aqui.
Então onde estás?
Em qualquer lugar entre o antes e o agora
No momento que não foi
Na angústia da demora
Mas a vida convida
Me ensina, me acha
O meu tempo não chega, não passa
Madrugadas escondidas debaixo do cobertor
Eu, você, nossos sonhos de amor
Seria você, ou apenas minha imaginação
Interrogação.

A AVENTURA SOLITÁRIA DE VIVER TEMPESTADES

Das tempestades  entendo
delas não fujo
não tenho medo
à elas me rendo
me sinto forte
me sinto viva
me sinto plena
delas sou parte
gota pequena
Enquanto outros correm aos prantos
enquanto tantos pedem abrigo
eu levo algo comigo
extinto, destino, fascinação
quanto maior for a tormenta
mais meu encanto aumenta
sei de sua força e sua grandeza,
sei do seu poder de transformação
sei também da capacidade de destruição
onde não encontra bases seguras
Ainda assim, gosto de estar entre elas,
Prefiro sentir a força da chuva do que admirá-las da janela
pois lá guardo meus segredos onde ninguém ousa chegar
nessa aventura solitária de viver tempestades
nessa loucura de viver as verdades
encontrei minha essência e a felicidade...

AMOR É ESTRELA DE PRIMEIRA GRANDEZA

Nem tão perto que possa tocar,
nem tão longe que não posso sonhar.
Mesmo que haja distância entre nossos corpos
como há distância entre nós e as constelações,
se soubermos contemplar a mesma estrela
tornaremos próximos os nossos corações.
Sentimentos fortes são assim,
nem mesmo a distância pode impedir
que as noites sejam estreladas.
Nem mesmo as estrelas podem ter maior brilho
do que duas almas apaixonadas.

A NATUREZA DO SER, PELO SER DA NATUREZA

Fui, sob feição humana, modelada externamente.
Fêmea dotada de cachos loiros, olhos verdes, pele alva, corpo e mente.
Mas o corpo interno é flora e fauna. Natureza completa.
Ora sou forte como o carvalho na delicada primavera, ora sou frágil como a borboleta no rigoroso inverno.
Sou o gelo eterno, a busca da andorinha pelo orvalho da manhã.
As árvores que perdem suas folhas no outono, esperando um novo amanhã.
Como a vida que se renova a cada chuva de verão.
É a Natureza que pulsa na minha criação.
Tenho a agilidade de um felino.
Luto pela sobrevivência com perspicácia de um lobo.
E no meu destino também está a busca pelo novo.
Então me renovo, mudo de pele como a serpente.
Abandono as cascas, mas as cicatrizes são eternas.
São como as marcas deixadas em árvores pelos humanos.
Cortes profundos, que sangram em forma de seiva até cicatrizar.
Neste meu ser, vivem em harmonia o interno e o externo.
Para conhecer os dois, basta saber decifrar.
É na profundidade que me revelo.

MAIS DO MESMO

Mais do que rosto
mais do que resto
mais do que gosto
mais do que gesto
reconheço e recomeço
reinvento e interpreto
fios de cabelo
porta-retratos
vida vivida sem protesto
noites dormidas sem carinhos
dias doídos sem regresso
e assim me despeço
sorrindo confesso
apesar das agruras
um novo amor é tudo que peço...

ENTRE TRAMAS, LAÇOS E AMORES

Horas que não passam
Passos que não traçam
Traços que não laçam
Laços que não tramam
Tramas que não amam
Amores que não chamam
Chamados que não clamam
Clamores que se calam
E a madrugada
Inesperada
Traz teu retrato
O teu tato, teu cheiro
Olhar passageiro
Me tiras o sono
Espero calada
Sozinha, deitada
Jardim sem flor
Em meio ao nada
Que nasça o amor.