quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O SIM E O NÃO (VI)

- E o que dizer de tua convicção, ao prometer-me as estrelas sem sequer saber admirá-las? Do mesmo modo, me falavas do amor sem conhecê-lo. Aquilo que acreditas ser amor, não passa de uma noite neblinada. Não consegues enxergar um palmo à tua frente, que dirá contemplar o céu estrelado! Tão distantes quanto as estrelas estão ao nosso toque, está o amor dos teus sentimentos. De todo modo, talvez algum dia percebas a diferença entre tocar e sentir.


Nenhum comentário:

Postar um comentário