sábado, 11 de agosto de 2012

TARDES DE INVERNO

Lembrou quando outrora
sobre a relva verde deitava.
Naquelas tardes de inverno

por horas o céu contemplava.

Assim como as nuvens que observava
transformando-se lentamente,
também transformavam-se os sonhos,
e os pensamentos em sua mente.

O que há no mundo lá fora?
Onde mora a felicidade?
Quantas são as estrelas?
Existe amor de verdade?
Muitas tardes e invernos passaram,
ela conheceu a realidade.

Desejava nunca ter desejado
descobrir o que no mundo lá fora existe.
Que a felicidade não tem endereço,
que há tanta gente triste.

Que as estrelas são infinitas,
mas que ninguém as alcança.
Quanto ao amor, não sabe se existe,
mas ainda carrega esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário